sexta-feira, 21 de setembro de 2012

* BALADA EM ALTO-MAR REÚNE FESTEIROS EM LUXUOSOS IATES


Balada em alto-mar reúne festeiros em luxuosas lanchas em Governador Celso Ramos

Uma das "festas aquáticas" mais badaladas é o Tinguaço

"Festas privativas acontecem longe da disputada faixa de areia das praias de Santa Catarina"

É o que qualquer um chamaria de "vida boa": curtir o verão em alto-mar, a bordo de uma lancha, com música e gente bonita. O pacote, geralmente, é completo: champanha, vodca importada, tele-entrega de pratos com frutos do mar, bote, jet-ski e marinheiro à disposição para quem já sabe que vai exagerar nos drinques. São as festas privativas, longe da disputada faixa de areia das praias de Santa Catarina.


Um dos points preferidos de quem procura badalação em alto-mar é a Praia do Tinguá, em Governador Celso Ramos, a 40 quilômetros de Florianópolis. Nos dias de sol, as águas são cobertas por barcos, que promovem dois tipos de festas: a de família, com crianças e até cachorro a bordo; e a balada jovem, onde o que vale é dançar, paquerar, ouvir música eletrônica e molhar os outros com champanha.

— O bom do barco é que cada saída é em um lugar diferente, pois dependemos do mar e do vento — diz Jorge Katcipis, adpeto do primeiro tipo de festa e que aproveitava o dia ali perto, em frente à Ilha do Francês.

Ele, a família e os amigos curtem o sol fazendo churrasco, brindando com espumante e divertindo-se sobre uma boia gigante. Há até festas temáticas, como Carnaval, Páscoa, além de happy hour.

 Tinguaço

Uma das "festas aquáticas" mais badaladas no local é o Tinguaço, que acontece todo mês. Os barcos são atracados no meio da baía um ao lado do outro. Qualquer tipo de embarcação pode chegar junto. Há espaço para todos, mas prevalece o luxo.

Enquanto, em um barco, um poodle descansa no colo da dona e algumas mulheres tomam sol, em outro, a embarcação balança para seguir o ritmo dos pulos de um grupo de jovens dançando. Para o administrador de empresas Vandes Dall'Oglio, 23 anos, a reunião na água tem vantagens:

— Aqui a gente reúne os amigos, aproveita o dia todo no barco e fica na paz. Chegamos às 11h e só vamos embora quando anoitece.

O turista, que é de Curitiba, aproveitava o dia em duas lanchas, com cerca de 15 pessoas. A grande maioria é gente jovem, em torno dos 20 anos. Dois marinheiros acompanhavam o grupo. No mar, é comum encontrar barcos enfileirados. A ideia, muitas vezes, é ampliar a festa e juntar o máximo de gente possível.

Luxo privê

Uma outra balada conseguiu reunir mais de 40 pessoas, vindas de cidades como Lages, Balneário Camboriú e Belo Horizonte e países como Itália, Suíça, Suécia e Estados Unidos. A festa era totalmente privê, tanto que os convidados possuíam até pulseirinha de identificação.

— A gente se reúne todo final de semana e sempre acaba conhecendo gente diferente — conta a advogada Maria Cecília Mendes Pagel, 30 anos.

Mas nem só de champanha vivem os festeiros do mar. Um latão de cerveja às vezes surge para dar um tom mais popular ao encontro. Com esta mistura, não podem faltar os "micos", como um homem que saiu de seu barco para jogar um balde de água em outro, mas caiu e só conseguiu assustar os convidados com o tombo. Cena comum em todo evento regado a muita bebida. A única diferença, nesta hora, é que o chão é a água. Então, é melhor saber nadar.

E há quem lucre com este tipo de festa. É o caso de Jonathan Rodrigo Santos, 18 anos, que faz a tele-entrega de comida e bebidas com um bote motorizado. Esta época do ano costuma ser rentável para ele e o pai, Osmar, do Restaurante Rei Netuno. Ele conta que, às vezes, os pedidos da clientela vão além do que é oferecido no estabelecimento.

— A gente nunca diz não para o freguês. Já nos perguntarem se a gente tinha biquíni para entregar. Não temos, mas a gente sempre dá um jeito — afirma o rapaz.

Matéria de Mauren Rigo

E-mail: mauren.rigo@diario.com.br
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS
Fonte: Diario Catarinense

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...