sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

* O SITE DO MARINHEIRO PERGUNTOU E O MARINHEIRO NEY RESPONDEU!

Pilotar um barco e navegar pelo nosso litoral vendo as coisas de um angulo  diferente do que normalmente é visto de terra firme é muito gratificante e emocionante. 

Mas, para exercer a profissão de marinheiro particular, você deve gostar do mar, de barcos, de ler, fazer cursos, ter muita paciência, dedicação e responsabilidade.

Republiquei essa matéria porque achei interessante. É uma das entrevistas que dei na época (  em março de 2003) para o site do Marinheiro particular. 

Foram respondidas 73 perguntas bem elaboradas . 


Qualquer duvida não deixe de perguntar, que o marinheiro Ney, agora Ney Broker responde.

Um abraço e boas navegações

Ney Broker
e-mail e msn: neybroker@hotmail.com

O site do Marinheiro pergunta o Marinheiro Ney responde! 

1- Marinheiro Ney, começando nossas perguntas, gostaríamos de saber como você se sente exercendo essa profissão? Do que você mais gosta nela? Como é trabalhar com esses “brinquedinhos” de luxo?

Ney: Mesmo atuando com Brokerage no litoral do Brasil, tenho muita satisfação, orgulho e não abro mão das atividades de "marinharia" com barcos de esporte e recreio. O que eu mais gosto na profissão é ter oportunidade de estar em contato com empresários importantes, marinheiros e outros navegadores, assim como poder navegar em lugares diferentes e poder ter acesso a embarcações de diferentes marcas, tamanhos e modelos.

2- Qual é a principal prioridade de um Marinheiro ao transportar pessoas importantes de nossa sociedade para um momento de lazer?

Ney: Na navegação, trabalhamos com prioridades inseparáveis: segurança, conforto, higiene, honestidade e economia, mais ou menos nessa ordem.

3- O que fez você escolher essa profissão?

Ney: Eu sempre fui do Mar! Meu pai me levava desde pequeno  para o mar e quando me dei conta já era ajudante dele (que era marinheiro de uma Carbrasmar 32). Ai não teve mais como fugir...só que confesso, teve uma época em que eu queria ser Disc Joquey (DJ) mas a paixão pelos barcos, pelo mar e pela navegação em si; continuou falando mais alto. 

4- Há alguns anos, ser marinheiro era sinônimo de “Pescador”. E hoje, para você, o que é ser um Marinheiro Particular? 

Ney: Antigamente, associava-se a profissão ao pescador, ao perigo, à aventura, ao susto que em cada navegação de final de dia era encontrada, não existiam informações e previsão do tempo atualizada, os meios de comunicações eram precários; o marinheiro estilo pescador era o mais confiável, porem tudo isso gerava certo desconforto e insegurança na navegação. Esse modelo de marinheiro perdeu-se no tempo. Hoje, muitos  marinheiros de esporte e recreio são profissionais altamente qualificado, e capacitado, que navega em barcos extremamente seguros, com toda a tecnologia e informação a seu favor.

Credito: Carbrasmar 55
5- Durante quantas horas você trabalha? 

Ney: As jornadas de trabalho variam de acordo com o tipo de cliente que você trabalha e as navegações a serem feitas, o número de pessoas que compõem a tripulação e outros fatores. Mas trabalhamos aproximadamente muito mais tempo que outros profissionais. Além da navegação, há dias em que ficamos à disposição do patrão como marinheiros em sobreaviso e outros dias na manutenção e na limpeza da embarcação, também temos que disponibilizar dias procurando outras informações técnicas de equipamento de bordo (estudo das cartas náuticas e das áreas que navegamos ou que vamos navegar),também participamos de pequenos cursos e palestras de reciclagem sobre combate a incêndios, primeiros socorros e outros assuntos. Temos poucas folgas por mês, mas as folgas são combinadas com os dias em que o cliente não vai usar o barco.

6- A sua profissão é muito perigosa? 

Ney: Já foi; porem nos dias de hoje, ela é muito mais segura, a tecnologia e a internet vieram a bordo para ficar e nos ajudar a ser mais seguros nas nossas decisões durante uma navegação. 

7- O que é importante e jamais pode ser esquecido pelo marinheiro durante seu trabalho? 

Ney: O compromisso com a segurança da embarcação e das pessoas abordo. 

8- Qual é o momento mais difícil em sua profissão?

Ney: Como em qualquer profissão, o começo é mais difícil. A colocação no mercado náutico não é fácil e requer bastante empenho, paciência e dedicação.

9- Quais são as dificuldades que você enfrenta ao desempenhar suas atividades? 

Ney: Quando estamos em viagens, eu considero os vários dias longe da família e amigos uma dificuldade que não tem solução.

10- Qual é o maior problema que os marinheiros enfrentam? 

Ney: A navegação no nosso país passa por uma fase de crescimento acelerado. Os empresários descobriram a cura para uma vida saudável e duradoura longe do agito da cidade grande e do “estress” do trabalho do seu escritório. Atualmente há uma grande oferta de mão de obra barata e para as vagas de marinheiros. Só que algumas pessoas estão entrando nesse mercado e muitas que se quer já navegaram. Isso gera uma certa preocupação salarial entre os marinheiros mais qualificados. 

11- Por algum momento você pensou em desistir dessa profissão? 

Ney: Sim. Como já desisti e abri meu próprio negocio náutico, só que em terra firme e fiquei mais de um ano longe do mar. A experiência foi boa, porque só assim percebi que em meu sangue corre “água salgada” , não perdi mais tempo e retornei para a vida do mar, agora como Marinheiro e Broker.

12- Alguém que tem fobia de mar, medo de tubarão, de dormir em camarotes apertados, etc. Consegue se tornar um marinheiro? 

Ney: Não. O Mar às vezes também me põe medo ele é imprevisível, tubarões existem, mas nunca vi nenhum marinheiro ser atacado por um deles e às vezes dormir em um camarote de marinheiro é assustador lembra um caixão com ar-condicionado.

13- Que habilidades um marinheiro de sua área deve ter? Fale um pouco sobre a formação de um marinheiro.

Ney: Existem dois caminhos para se tornar um marinheiro: um deles é a indicação; onde um marinheiro mais velho, respeitado e com “nome” no mercado náutico faz a indicação a um proprietário de barco; e o outro e a carreira pela formação pela capitania dos portos com as carteiras de habilitação profissional.

Foto enviada pelo Junior da Seanergy. Dealer da Ferretti
14- Que curso um marinheiro  deve ter para ajudar a reforçar o seu currículo? 

Ney: Para ser Marinheiro aqui no Brasil, o marinheiro deve ter no mínimo o Ensino Médio completo, ter pelo menos habilitação de Arrais , Mestre ou Capitão Amador. Ter navegado como segundo marinheiro também pode dar uma boa apresentação ao currículo citar algumas horas de navegação onde acredito que o ideal seria 400 horas por ano. Saber o  básico da língua inglesa , primeiros socorros, natação (importante), combate a incêndio, curso de equipamentos de navegação como: radar, gps, sonar, vhf , curso sobre reconhecimento de costas, meteorologia, informática, para mim são pontos fundamentais. E todos os cursos que se possa usar no dia a dia dentro de uma embarcação.

15- Com que idade se entra nessa área e como se faz para conseguir isso? 

Ney: Não existe idade minima para começar, mais ele deve pelo menos possuir a carteira de Arrais amador. Existem diversos escolinhas de navegação espalhados por todo o Brasil, tai um bom começo. 

16- Para se tornar um marinheiro respeitado no ramo da náutica, o que é preciso fazer? 

Ney: Dedicação e honestidade. Como já falei de inicio, aqui trabalhamos com pessoas importantes e as vezes só somando o valor do patrão, do barco e dos convidados saberemos a responsabilidades que temos na mão.

17- Com que idade você percebeu que nasceu para ser marinheiro de barco de esporte e recreio? 

Ney: Meu pai me levava para o mar desde criança. Desde muito cedo, eu já navegava com ele pelas baias de Florianópolis SC.

Eu com 16 anos
18- Com quantos anos você começou a navegar sozinho? 

Ney: Acho que com 16 anos ja manobrava veleiros de um cais para o outro e as vezes já levava direto ao “Pau de carga” para erguer o barco e estacionar no seco para manutenção.

19- Depois de quanto tempo de trabalho consegue-se ser reconhecido nesse mercado? 

Ney: Isso depende do investimento que você faz em você mesmo. Aos poucos as pessoas ao seu redor começam a perceber a diferença.

20- Se não fosse um homem do mar, que outra profissão você escolheria? 

Ney: Disc Jokey 

21- Como é a vida familiar de um Marinheiro, já que nem sempre você está em terra? 

Ney: Apesar de ficar vários dias e às vezes meses longe da família e amigos, acabamos acostumando-nos a adaptar a vida pessoal e as vezes solitária. No começo, é um pouco difícil, mas, com o passar do tempo, torna-se normal.

22- O que acontece em cenas de novelas e verdade, sobra um tempinho para namorar as convidadas do chefe? 

Ney: Como a própria pergunta você já responde. (Risos) Isto só acontece em novelas, na vida real é diferente o marinheiro tem olhos para olhar só pra frente. Não se olha para as filhas do patrão, para a mulher e nem para as convidadas, e digo mais...“nem que elas tivessem nuas abordo”... temos que fazer de conta que é a mãe ou irmã que esta ali.

23- A vida de um Marinheiro de barco de esporte e recreio e realmente é boa? 

Ney: Eu considero em particular (a minha) muito boa. Porque gosto do que faço. 

24- Como foi sua primeira navegação, a mais longa? Você sentiu um "frio na barriga"? Foi emocionante? Você passou mal? 

Ney: Lembro-me com se fosse hoje. E e meu falecido tio Zeca, saímos com uma Cigarrette 36 de Florianópolis para o Rio de Janeiro. Ele me viu entrando com uma carta náutica, lápis, compasso e outros materiais de navegação; e ele me perguntou pra que era tudo aquilo. E eu falei se pintar uma oportunidade eu uso. E ele me falou, então o tio vai deixar voce fazer  a navegação toda sozinho, vai é com você .... Trace seu rumo e leve o barco... serei o caroneiro... Nossa foi incrível. Só que na metade do caminho pegamos uma tempestade e quase viramos o barco, vomitei muito. Foi um dia inesquecível chegamos ao Rio com o barco todo quebrado pela tempestade, não tem como esquecer, mas não largei o comando.

25- Como se sentiu em sua primeira navegação como profissional? 

Ney: seguro, desde que tirei minha primeira habilitação sempre senti segurança no que faço.

26- Você teve medo de navegar sozinho? 

Ney: Medo não, mas muito respeito pelo mar.

27- Qual foi a sua navegação favorita? 

Ney: Cada navegação você tem uma história diferente, mas nada pior do que navegar pela Baia de Angra dos Reis a noite debaixo de neblina, ou chuva fina, é horrível... Mas navego de um lado ao outro e tenho a certeza de onde estou. É uma sensação única inexplicável. Isso ajuda a me sentir importante e me diferenciar de outros marinheiros. Isso faz bem para nosso ego.

28- Qual foi navegação mais importante que você já fez?

Ney: Com Norberto Ferretti presidente do Grupo Italiano FERRETTI. Não pela rotas traçadas, mas sim pela responsabilidade que estava sobre “minhas costas”. Eu estava transportando naquele momento uns dois empresários mais poderosos do mundo náutico. 

29- Você já viu assombração no mar, por exemplo a noite, ou uma histórias de pescador por exemplo? 

Ney: Sempre que navego a noite e sozinho, sinto a presença de alguém no meu lado, procuro não olhar para meu lado, pois sinto uma companhia oculta agradável. Agora assombração nunca.

30- Você já teve alguma experiência marcante em alto mar, longe de terra como ver um óvine (Disco voador)? 

Ney: Isso não existe. Estrela cadente e balão meteorológico vejo muito.

31- Conte uma aventura inesquecível vivida por você no mar. Você pôde conhecer o que nessa profissão? 

Ney: Na navegação você pode conhecer praticamente todo o litoral do nosso país e todos os tipos de pessoas que imaginar; em umas de minhas navegações fomos a uma praia de nudismo. Fomos de barco para espiar os “peladões” na praia do Pinho em SC. E para nossa surpresa o administrador da praia veio a nado até o nosso barco e subiu peladão na plataforma de popa e passou o regulamento a todos. Foi divertido, pois ninguém esperava um cara peladão na popa da nossa lancha. Detalhe ele estava falando serio e com toda naturalidade do mundo, as regras para a gente permanecer proximo a praia.

32- Dos lugares que você já navegou, de qual deles mais gostou? 

Ney: Incomparável Angra dos Réis. Lá você tem quase tudo que a natureza pode oferecer . Tudo pertinho um do outro.

33- Você já deu a volta ao mundo em um barco? 

Ney: Ainda não. Espero ter oportunidade de fazer isso um dia. Na aposentadoria quem sabe.

34- Você já teve oportunidade de navegar em outro Pais? 

Ney: Tive uma proposta de trabalho para trabalhar na Itália e outra em punta del lest, o salario era alto, porem não me achei preparado na época. E hoje sair do Brasil só para passeio.

35- Como você se sente no mar? 

Ney: Sensação de liberdade. A sensação de navegar é indescritível. Algumas pessoas sentem medo; outras, euforia. Eu apenas me sinto feliz, sinto que estou no meu lugar, no meu mar. Eu sequer consigo explicar a real sensação de navegar. 

36- É difícil pilotar um barco? Que tipos de barco você já pilotou? 

Ney: A navegação exige dedicação e um treinamento intenso, não é difícil pilotar e manobrar essas embarcações e preciso praticar. Já pilotei muitos modelos diferentes de barcos, desde pequenos botes até barcos de 98 pés. De varias marcas, modelos e estaleiros diferentes. 

37-Como é navegar com mau tempo? 

Ney: O mau tempo requer atenção redobrada e conhecimento das técnicas de navegação, contornar as ondas regue um pouco de habilidade. Não pode existir, de forma alguma, relação com medo ou pânico. Temos informações meteorológicas constantes e equipamentos eletrônicos a bordo que nos auxiliam na navegação e nos passam muita segurança.

38- Você navega sozinho ou acompanhado? 

Ney: Tanto faz, uma companhia é sempre bem vinda, porém a longas travessias que às vezes é preferível estar sozinho.

39- É muito difícil navegar à noite? 

Ney: É tão fácil quanto navegar de dia. A única diferença é que temos à disposição menos visibilidades e não podemos “achar” que estamos certos. Na duvida eu paro a embarcação e começo tudo de novo. Particularmente, eu gosto mais de navegar à noite por que ninguém se arrisca a dar palpite e você navega tranquilo.

40- A cabine de comando do barco é cheia de botões e equipamentos de navegação?

Ney: Cada modelo de barco tem equipamentos e botões diferentes para funções diferentes. Quanto mais moderno o barco mais equipamentos, disjuntores e botões. Porem nos estaleiros quem define o que vai ou não ser instalado abordo é o cliente e não o marinheiro... com isso  alguns proprietários acabam gastando muito em perfumaria e esquecem do principal equipamentos de navegação e de segurança.

41- As marinas e Iates clubes auxiliam os marinheiros durantes as navegações? Existem socorros imediatos na nossa costa? 

Ney: É!!! é muito difícil responder essa pergunta, geralmente as marinas estão na escuta permanente nos horários comerciais no canal 06,16,68,74,etc.. Após esse horários você só tem a alternativa do canal 16. ai que mora o perigo você nunca sabe quem vai atender uma chamada sua. Muitas pessoas têm uma idéia muito errada de equipes de socorros. Como em filmes, vemos alguém chamar S.O.S de um barco em perigo e do nada aparece a “guarda costeira americana”. Isso é besteira. Estamos muito longe disso. Quem sabe um dia. Aqui nossa segurança ainda são os barcos de pescas em sua maioria.

42- Como você se sente em uma embarcação com outro marinheiro no comando? 

Ney: Quando conheço bem a qualidade da navegação do marinheiro, sinto-me tranqüilo. Até me arrisco dar uns cochilos em longas travessias. Mas “caso contrario” estarei em vigia permanente.

43- Quantas pessoas você pode levar em um passeio de final de semana? 

Ney: Isso depende do tamanho do barco, se vai haver pernoite ou não. Os barcos são classificados e tem limites para quantidade de tripulantes e passageiros.

44- Você é responsável por sua vida e pela de muitas pessoas que estão com você durante uma  navegação ou passeio de fim de semana . O que tem a nos dizer sobre essa responsabilidade?

Ney: Toda e qualquer operação envolvendo navegação tem como base a segurança. Não temos treinamentos especiais, avaliações ou exames médicos preventivos temos que se virar com cursos basicos e com que aprendemos no dia a dia. como trocas de experiências com outros colegas de mar. Mas existe algo que devemos ter ao tomarmos uma decisão, tranqüilidade e bom senso, pois, normalmente, temos muito pouco tempo para avaliar uma situação e tomarmos a atitude correta.

45- Você já presenciou algum acidente no mar? 

Ney: Vários, desde perda total, fogo, acidente com lage, falha de equipamento e encalhes por falta de responsabilidade.

46- Você já se envolveu com algum acidente no mar? 

Ney: Já! Inclusive publiquei esse acidente aqui no blog. Não gosto muito de lembrar. Só publiquei porque foi na frente da minha casa e envolvendo minha família e queria deixar como experiência para outros marinheiros.

47-Você já passou por alguma situação de perigo enquanto navegava? 

Ney: Não posso considerar como situação de perigo. Mas já me vi em cada apuro. Navegar no sul do Brasil, onde nasci e navego a maior parte do tempo, não é para qualquer um; aqui  o tempo é imprevisível e muda de uma hora para outra. Estarei criando nesse blog uma coluna onde vou relatar alguns apuros. O segredo nessas horas é você ser “SAFO”.

48-Qual foi o maior erro que você cometeu em uma navegação? 

Ney: Deixar o comando na mão de um dos meus chefes. Enquanto eu estava na cabine e na popa servindo os convidados, ele estava tocando do flybridge, e acabamos por pegar uma laje, isso em 1989 em Florianópolis SC. Arrebentamos  toda a parte de baixo do barco: foi eixo, hélice, pé de galinha, leme, etc... Não afetou o casco mais foi um grande susto.

49- Cite um momento em que você sentiu medo durante uma navegação?
Ney: Em situações de emergência, não sinto exatamente medo, mas um alerta total. Tento   me controlar e resolver o problema o mais rápido possível. 

50- Alguma vez você ficou sem combustível durante uma rota de navegação? 

Ney: Não. Já cheguei na “estica”, mas ficar sem diesel nunca...isso é pane seca. E é muito desagradável para um navegador.

51- Você já cometeu algum erro enquanto estava no comando de uma embarcação? 

Ney: Existe sempre a possibilidade de uma distração fazer com que você cometa algum erro. Um deles foi de passar o comando para o meu chefe, que causou aquele acidente. Mas felizmente, nunca cometi nenhum erro que comprometesse a segurança da navegação, somente de chegar atrasado na hora da saída para o mar e deixar um cliente esperando.

52- Em alguma viagem conduzida por você, aconteceu de um tripulante passar mal? 

Ney: Já, mas possuo “alguns cursos” de primeiros socorros e leio bastante sobre saúde, então fica mais fácil de conduzir uma situação dessas.

53- Você tem medo de um naufrágio?

Ney: Todo navegador tem medo de um naufrágio. principalmente se tiver pessoas sobre sua responsabilidade. 

54- Qual é o seu maior medo? 

Ney: Tempestades no mar com clientes a bordo. Prefiro pegar sozinho.

55- Quais são as rotas que você mais gosta de fazer? 

Ney: Rio / Florianópolis ou vice versa... cada navegação é uma experiência. 

56- O que você considera mais perigoso em sua profissão? 

Ney: A falta de manutenção do barco por parte do proprietário e da presença de marinheiros despreparados.

57- Você já salvou vidas em afogamento? 

Ney: Sim duas vezes.

58-Quais são os perigos que o navegador pode enfrenta? 

Ney: Nossa profissão não é perigosa; pelo contrário, é muito segura. Depende de quem esta no comando e se o barco esta bem equipado e com as devidas manutenções.

59- Durante uma navegação, você já enfrentou ondas gigantescas? 

Ney: Em quase todas as navegações que faço de alguma forma há ondas. Não gigantescas, mas até 4 metros. Elas não devem ser considerada como algo perigoso. É desagradável sim, para alguns tripulantes, principalmente para aqueles que não estão acostumados a longas navegações, pois acabam enjoando.


60- Já aconteceu algum assalto ao barco ou seqüestro com você? É verdade que tem pirata no mar? 

Ney: Não. Existem casos isolados. Geralmente não navegamos com dinheiro abordo por isso não atraímos a atenção de bandidos. E  no mar ha muito espaço, mas a fuga é difícil.

61- Você já teve de abandonar alguma embarcação por causa do mau tempo? 

Ney: Não. O Capitão nunca deve abandonar o barco, a não ser que algum tripulante o apunhale pelas costas...(risos)

62- A quantos kilometros da costa você se afasta ao navegar com uma embarcação de esporte e recreio? Que velocidade um barco pode atingir?

Ney: Navego por rotas e procuro nunca ficar muito longe da costa. Normalmente, chego a me afastar mais de 20 milhas da costa . A velocidade dos barcos depende do tamanho e dos motores, mas da uma media de cruzeiro de 23/27 nós...e em veleiros 6 a 8 nós. 

63-Qual a maior distancia da costa que você já foi? 

Ney: Com meu pai que é pescador profissional... fomos a mais de 100 milhas (mar a fora) para o sul de Florianópolis atrás de um pesqueiro. Você fica horas e horas sem ver terra. É loucura!!! Pegamos um Sudoeste tremendo na volta.

64- Você nunca teve medo de mar? 

Ney: Não. Mas muito respeito.

65- Até quantos metros de profundidade você estava na viagem com seu pai? 

Ney: a mais de 100 metros

66- Você pretende fazer o que quando parar de navegar? 

Ney: Não pretendo parar de Navegar. Mas se um dia isso acontecer farei alguma coisa ligado a área náutica

67- Atualmente com quantas horas de mar um marinheiro precisa ter para poder ser reconhecido como Marinheiro com “M” maiúsculo?

Ney: Teoricamente, um marinheiro com mais de 400 horas de navegação por ano já pode ser considerado um bom marinheiro. Há Marinheiros que preferem usar milhas navegadas uma média, 15.000 milhas por ano. No meu caso, tenho mais de 350.000 milhas navegadas. Não desmerecendo os grandes velejadores. Faço um calculo em cima das minhas viagens marítimas e as que faço com lanchas. Por exemplo; um navegador de um barco a vela que sai de Florianópolis vai uma vez por ano a angra enquanto eu vou mais de 20 vezes por ano, ou seja, são varias idas e voltas.

68- Qual foi o maior barco que você já pilotou? 

Ney: Uma Spirit Ferretti de 98 PÉS e um veleiro de concreto de 80 pés que tinha um calado de 2,75 metros onde tive que navegar pelos canais rasos do sul da ilha de Santa Catarina.

69- Como é a sensação dos proprietários de barco quando estão em seu momento de lazer?

Ney: Cada um se transforma de um jeito diferente, voltam a ser crianças e muito legal, você acaba conhecendo o lado do empresário que os funcionários da empresa não conhecem, aquele cara serio de terno e gravata não existe nesse momento. E gratificante!.

70- Como o Brasil está em relação aos avanços da tecnologia na area náutica comparado com outros países?

Ney: Em relação ao treinamento de marinheiros, deixa a desejar. Mas muitos já estão se modernizando buscando qualificação por conta própria. Já os nossos estaleiros, "dão um banho"... A concorrência é grande mas a cada dia que passa, eles estão fabricando barcos muito bem acabados, mais luxuosos e bem equipados.

71- Para finalizar gostaria que você, Marinheiro Ney nos respondesse uma ultima pergunta: Um marinheiro de barco de esporte e recreio de um nível, tipo o seu, pode ter um salário de quanto? 

Ney: Bem, é difícil não vou falar sobre meu salário, mas é um mercado que não tem salário definido, ou seja, cada barco, cada tipo de marinheiro ha um salário diferente. Não importa o tamanho do barco. O que importa é como o proprietário usa o barco e se ele confia no marinheiro. Um Marinheiro Particular que atende todas as exigências do proprietário pode receber em torno de R$ 3.500,00 a R$ 6.000,00 + despesas pagas. Quanto mais segurança e profissionalismo ele passar para o cliente, mais ele sera valorizado.

72- Deixe numero de telefone ou um contato seu para os visitantes? 

Ney: Numero de telefone 48-84611646 ! Meu e-mail e MSN é: neybroker@hotmail.com

73- Obrigado pela pela entrevista Marinheiro Ney?

Ney: Eu que agradeço a vocês do site do Marinheiro. Um abraço e boas navegações.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...